Se existe uma coisa que ficou evidente nos últimos meses é que o mundo muda, e isso tem acontecido de forma cada vez mais rápida. A questão é que nem sempre os pais estão prontos para essas mudanças, muito menos as crianças, e as novas situações podem deixar muitos confusos e perdidos. Segundo o filósofo Mário Sérgio Cortella, o fato não é o novo em si, mas a velocidade em que isso está acontecendo.

“Uma parte das famílias acabou perdendo a referência dada à velocidade das mudanças e à rarefação do tempo de convivência com as crianças. Isso fez com que muitas acabassem terceirizando o contato com os filhos e delegando à escola aquilo que é originalmente de sua responsabilidade”, afirma.

É claro que a educação e criação de seres humanos dá trabalho, mas o que se percebe é que no meio desse processo, os pais parecem desorientados. É por isso que busca apoio em livros, revistas e grupos de discussão é fundamental, pois segundo Cortella “não é só a educação dos filhos que é necessária, mas a dos pais também”.

Como se orientar em meio ao caos

Um ponto importante é que os pais estejam abertos ao diálogo e dispostos a mudarem pequenas atitudes no dia a dia. Abaixo, os especialistas sugerem algumas dicas que podem te ajudar a ter um norte para começar:

1. Defina qual é a prioridade

Uma das coisas mais importantes a ser aprendida na vida é que a palavra prioridade não tem ‘s’, ou seja, não tem plural. Se você disser: “tenho duas prioridades”, é porque não tem nenhuma. Por isso defina o que é prioridade para a sua família no momento presente, e após tomar a decisão, não sofra. É importante buscar o equilíbrio entre todas as responsabilidades e papéis desempenhados, mas lembre-se: você não precisa fazer tudo rápido e de uma só vez.

2. Entenda que autoridade não é autoritarismo

Os adultos precisam entender que as crianças são “subordinadas” a eles, ou seja, estão sob suas ordens. Isso significa que o pai não pode se tornar refém de alguém que ele orienta e cria. Porém, isso não abre espaço para o autoritarismo, agressão física ou qualquer modo de ação que acaba produzindo algum tipo de crueldade. O pai e a mãe precisam entender que, em casa, eles são a autoridade. Ao abrir mão disso, há um custo. Quando um adulto se subordina a uma criança ou adolescente, e tem sobre eles alguma responsabilidade, está sendo leviano.

3. Seja amigo do seu filho

Não há problema algum em ser amigo dos filhos, mas é importante frisar que essa amizade não deve afetar a sua autoridade para com eles. Cortella ressalta que existe uma frase que precisa ser excluída da nossa sociedade “O amor aceita tudo”. Segundo o filósofo, isso é tolice, pois o amor inteligente, o amor responsável é capaz de negar o que precisa ser negado. O amor que tudo aceita é leviano e irresponsável.

4. Brinque junto

Os filhos percebem quando os pais estão presentes, mas não estão dando atenção a eles. Isso pode gerar frustração e aumentar o nível de ansiedade dos pequenos, que não se sentem devidamente apreciados e incluídos. Por isso, reserve um tempo para realmente brincar com as crianças, sem telefones, Tvs ou qualquer item que possa tirar a sua atenção do foco: fazer uma imersão na imaginação do seu filho e brincar com ele, de verdade.

A Le Café com Chocolá tem como missão resgatar as brincadeiras simples e a eterna capacidade de aprender das crianças através de pijamas lúdicos e festas do pijama personalizadas. Os filhos crescem rápido demais, mas você pode fazer parte de cada fase da vida deles.